Angra Nascimento: “Não me considero famosa, mas sou tratada como celebridade”

Angra Nascimento: “Não me considero famosa, mas sou tratada como celebridade”

 

De todos, o cantor Gabriel Gava é o mais íntimo e ‘queridinho’ da repórter. (Foto: Arquivo pessoal – Angra)

Por Jackeline Teixeira 

Angra Nascimento, 30 anos, é repórter e responsável pela editoria “Na Mira” do portal de notícias imirante.com/Imperatriz. Hoje é uma das repórteres mais conhecidas da cidade na área do jornalismo cultural e se destaca por ser a única que faz a cobertura de eventos para a web, principalmente os do gênero sertanejo.

Há quatro anos entrevistando artistas locais, regionais e nacionais, ganhou visibilidade e reconhecimento pelo seu trabalho, a partir de maio de 2011 na entrevista com o cantor Luan Santana.

Em entrevista, Angra explica sua relação com alguns famosos e afirma que a profissão não é só glamour como a maioria pensa. Confira.

Imperatriz Notícias (IN): Angra, em uma postagem no seu Facebook, você afirmou que gosta dos holofotes da mídia e que “muitos invejosos” cruzam seu caminho. Por que as pessoas têm inveja de você?

Angra Nascimento (AN): Percebo muita maldade na minha rede social. Tem um pessoal que curte, que admira, e tem o pessoal maldoso. E a inveja é porque essas pessoas gostariam de estar no meu lugar. Pensam que é só holofote, que só tem o lado bom. Não vêem que tem todo um trabalho por trás e que às vezes nem sempre são flores.

(IN): Em sua rede social, você publicou que é alvo de críticas por ter contato direto com os artistas que vem para Imperatriz. Em relação a isso, você se considera famosa?

(AN): Não me considero famosa, mas sou tratada como celebridade. Às vezes por eu estar no meio deles, fico um pouco mais popular. Todo mundo sabe meu nome, meu WhatsApp, querem me seguir na rede social e a gente acaba tendo fama.

(IN): Você foi convidada pelo pai da dupla sertaneja Henrique e Juliano, para acompanhá-los em sua turnê. Isso fez com que você pensasse em mudar o direcionamento da sua profissão?

AN: Não. Já tive outros convites e eu fiquei tentada a ir mesmo. Mas nunca pude aceitar por causa do meu curso. A prioridade é terminar essa graduação e eu não sonho muito com isso.

(IN): Você é bem próxima do cantor Gabriel Gava, e já viajou para outras cidades para cobrir shows dele. Você já se beneficiou por ter essa proximidade com um cantor nacionalmente conhecido no mundo sertanejo?

(AN): O benefício que eu tive foi ele falar bem de mim em Goiânia, no Espírito Santo, por onde ele anda. Então, o fato dele falar que tem uma amiga em Imperatriz, que o acompanha, já me ajuda muito para eu ter esse respaldo que tenho hoje. As portas se abrem mais, tudo fica mais fácil.

painel Angra

Painel mostra artistas locais, regionais e nacionais entrevistados pela repórter. (Fotos: arquivo pessoal – Angra. Edição: John Erik)

 

(IN): Foi postada uma matéria sua na editoria Na Mira, do site Imirante.com/Imperatriz, sobre os artistas mais antipáticos e os mais simpáticos que já passaram por Imperatriz. Você não acha que foi tendenciosa ao afirmar quem é ou não simpático?

(AN): Não. Isso teve uma grande repercussão e o pessoal me criticou por que citei os antipáticos e os simpáticos sem ouvir o público diretamente. Coloquei o que vi. Quem acompanha de perto, sabe quem é e quem não é. Agora, o que não pode é falar só o que as pessoas querem ouvir. As pessoas estão mal acostumadas com isso. Paciência! Eu não posso falar tudo o que eu vejo pela questão do contratante. Isso me incomoda um pouco, e é só em Imperatriz que isso acontece. Acompanho os outros sites e não é assim.

(IN): Você fez algo para reverter essas críticas?

(AN): Não, pois já sabia que iria ser criticada e que a repercussão seria negativa e positiva. Me diverti, pois enquanto as pessoas falam, eu faço meu trabalho e chego aonde eu quero chegar.

(IN): Segundo a sua matéria, entre os mais simpáticos estão os cantores do segmento sertanejo e forró e os mais antipáticos os consagrados da MPB. Na sua opinião, a classe musical ou determinado status do artista, influencia tal postura?

(AN): Não. Tem cantor que está começando, tem dois a cinco anos de carreira e é simpático. Não estão cansados dos fãs e da imprensa atrás deles. Para eles tudo é festa. Agora, quando o artista tem mais de 20 anos de carreira como Zezé di Camargo, Bruno e Marrone, Djavan e Ana Carolina, já estão ricos, cansados e então naturalmente ficam chatos. Não costumam ser muito receptivos.

(IN): Um dos preceitos básicos do Jornalismo é o distanciamento que o profissional tem de manter da história a ser contada e das fontes consultadas. Porém, cada vez mais, isso está sendo deixado de lado. Diante disso, você acha que o jornalista é tratado como artista?

(AN): Não deixa de ser. Principalmente quem trabalha na TV. São tratados como celebridade. E no meu caso que faço web, acabo sendo tratada como celebridade também. Essa prática está ficando de lado sim.

 

About The Author

  • Margaret Valente

    Ótima entrevista. Parabéns! Jackelie Teixeira pela visão. Relamente hoje em Imperatriz a repórter das celebridades se chama Angra Nascimento, pelo carisma e como conduz seu trabalho. Menina linda e talentosa e sabe o que quer. Garra e determinação é o seu lema. Exemplo a ser seguido por muitos. Angra tenho muito orgulho de você amiga. Sucesso sempre! Bjs

  • Mauriene Pacheco

    Legal. Gostei muito do post!!! Angra vc vai longe. Bjs

  • Hugo Fonseca

    Parabéns, ótima matéria.

  • Adriana Dias

    Ótimas perguntas Jack..Angra tb……..

  • Erlane Martins

    lindona , ela arraza adoro as materias e as entrevistas dela! Super alto astral….

  • Romário leal

    Ótima matéria! Angra nascimento uma das jornalistas mas conceituada de imperatriz! Posso dizer que e a melhor!que satisfaz a TDs os formosos que entrevista e er claro! E bem querida por todos!

  • William Castro

    Entrevista muito bem conduzida e com perguntas extremamente elaboradas e fundamentadas. Parabéns a Jackeline Teixeira e, claro, a Angra também pela postura adotada!