Select Page

Secretaria de Trânsito faz estudo para construir ciclovias em Imperatriz

Secretaria de Trânsito faz estudo para construir ciclovias em Imperatriz

Pauta: Cyarla Barbosa

Reportagem: Janethe Matos da Silva

Fotografias arquivo grupo Tribo do Pedal

Imperatriz deve ganhar um Plano de Mobilidade Urbana até outubro deste ano e pode criar ciclovias. De acordo com o secretário da Setran (Secretaria de Trânsito e Transporte), Leandro Braga, foi contratado o engenheiro Rafael Leite que será o responsável pela elaboração de um projeto para melhorar o trânsito na cidade, entre as propostas a serem implementadas está a criação de ciclovias.

“Só posso colocar uma ciclovia depois que a gente concluir o plano de mobilidade urbana, porque tenho que ver qual via no município de Imperatriz que é possível ter a ciclovia, porque além de eu dar segurança pro ciclista, também tem que dar segurança pro pedestre e pros condutores”, diz ele.

Atualmente em Imperatriz não é possível trafegar no centro e nos bairros usando uma ciclovia. A única disponível, inclusive com péssimas condições no asfalto, é a ciclovia da Avenida Pedro Neiva de Santana, que liga Imperatriz a João Lisboa. 

A situação dos ciclistas em Imperatriz é tão precária que até mesmo os órgãos de trânsito desconhecem a realidade. Por exemplo, nem o Detran (Departamento Estadual de Trânsito), nem a Setran sabem o número de ciclistas, ou a quantidade de acidentes que envolvem ciclistas na cidade no último ano.

Segundo um dos fundadores do ciclismo da região e presidente do grupo x-bike, Zilmar Santos de Oliveira, hoje Imperatriz conta com doze grupos de ciclistas ativos, uma média de 350 pessoas, que costumam fazer trilhas e pedais para João Lisboa, todos os dias pela manhã e à noite. “A cidade precisa de ciclovias nas ruas de Imperatriz, montar um plano piloto, um plano pra se criar ciclovias, porque quando se criam as ciclovias vai melhorar o trânsito, várias pessoas podem ir trabalhar de bicicleta, isso indica que o trânsito, a quantidade de carros vão diminuir e aumentar a quantidade de bicicletas”, diz ele.

A criação de ciclovias é uma excelente alternativa para a melhoria do tráfego na cidade. A iniciativa conta com o apoio até mesmo de órgãos oficiais, como o Detran.“Iria desafogar o trânsito, iria evitar a questão de acidentes […], tem muita gente que mora perto do trabalho e vai de carro por não ter uma estrutura adequada pra andar de bicicleta aqui em Imperatriz”, relata o diretor do Detran de Imperatriz Joaquim Moura.

Órgãos desconhecem número de ciclistas e acidentes envolvendo bicicletas na cidade

Além das questões referentes à mobilidade, conforme o agente de trânsito João Jerônimo o uso da bicicleta gera vários outros benefícios para a população, porém é necessário que haja segurança no trânsito para o ciclista. “É um meio de transporte que não polui, não joga gases no meio ambiente, não produz ruídos sonoros, é um veículo que ainda ajuda na questão da saúde, porque o pessoal tá pedalando, está fazendo exercício físico, é ótimo, agora, precisa que tenha a devida sinalização, ou seja, as ciclovias e ciclofaixas pra que eles transitem de modo seguro”, afirma Jerônimo.

Quem usa a bicicleta para lazer ou trabalho também fica animado com a possibilidade de implantação da ciclovia na cidade. É o caso do cirurgião dentista e professor universitário, doutor em Odontologia (Endodontia), Rogério Emílio de Souza, que anda de bicicleta cinco vezes por semana em Imperatriz e faz parte da equipe de ciclismo tribo do pedal. Ele nos traz uma lista de benefícios que serão gerados com a implantação de ciclovias. “A atitude de implantação de uma verdadeira ciclovia é excelente. Além de seguir uma tendência mundial. Você tem classe baixa a alta com condições de pedalar e se deslocar, quer seja trabalho, quer seja hobby. ”, afirma ele.

Benefícios:

1)      Controle de poluição

2)      Benefícios frente à saúde da população, com reflexo no SUS (Sistema Único de Saúde)

3)      Controle de doenças:

*Obesidade
*Diabetes
*Depressão
*Melhora da memória (estimulação cerebral)
*Campanhas de incentivo à controle de engarrafamentos no trânsito
*Diminuição de acidentes de trânsito
*Democratização do transporte

 

 

Riscos

Por falta de estrutura adequada para trafegar de bicicleta na cidade o ciclista fica mais exposto a acidentes.“Coração acelerado a toda hora”, explica o ciclista e vendedor de lanches, Antônio Neto que usa a bicicleta para trabalhar nas ruas do centro de Imperatriz.

Ciclistas reclamam da falta de respeito por parte dos condutores que invadem as ruas preferencias mesmo quando um deles está trafegando por ela. “Não respeitam e desconhecem os direitos dos ciclistas”, relata Souza sobre esta situação. Como exemplo podemos citar o caso da vendedora de açaí Irani Alves Pereira, que sofreu um acidente quando estava a pedalar por uma via preferencial e esta foi invadida por um veículo que acabou colidindo com ela. Mesmo diante disto Irai diz não ter medo, pois gosta muito de pedalar por aí.

Fábio Machado, estudante de 19 anos, mora em Imperatriz e já se envolveu em dois acidentes de trânsito. “Fui direto pro chão”, afirma sobre a primeira vez que isso aconteceu, por ter tentado desviar de outro ciclista que invadiu a preferencial e que estava com uma criança na garupa. No segundo envolvimento, ele estava novamente em uma via preferencial, quando um motociclista avançou o sinal e colidiu em sua lateral. “Ele caiu, eu não”, afirma Machado.

Dicas de cuidados para o ciclista com o agente de trânsito João Jerônimo:

*Obedecer às sinalizações de trânsito

*Não pedalar utilizando aparelho celular ou fones de ouvidos

*Usar equipamentos obrigatórios na bicicleta como: campainha, espelho retrovisor, freios, etc…

*Não avançar o sinal vermelho no semáforo

*Não transitar em calçadas ou passeios de pedestres

*Usar capacete, luvas, joelheiras, etc…

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

About The Author