Select Page

Frazão comenta projetos com fitoterápicos quase dez anos depois do episódio no Fantástico

Frazão comenta projetos com fitoterápicos quase dez anos depois do episódio no Fantástico

Texto e fotos de Gledson da Silva

Em 2010 o professor e pesquisador Antônio Augusto Frazão ganhou repercussão nacional numa matéria produzida pelo médico Drauzio Varela em que associava, entre outras coisas, seus estudos com fitoterápicos com charlatanismo. Quase dez anos depois o Imperatriz Notícias resolveu conversar com o professor, que até então tem evitado a Imprensa.

Figura popular em Imperatriz, Frazão recebeu em  2008 o prêmio da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (Fapema) e o título de cidadão imperatrizense concedido pela Câmara de Vereadores de Imperatriz.  Ele é docente da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), mestre em Geoquímica pela Universidade Federal do Pará (UFPA) e Livre Docente pela Universidade Nacional da Ucrânia. Com experiência na área de Biofísica e Farmacologia, suas pesquisas têm como linha principal a Fitoterapia, o estudo das plantas e frutos como forma de medicina alternativa.

Desde o início de 2017 trabalha na Secretaria Ambiental de Saúde onde é responsável pela análise do solo, água, ar e catástrofes ambientais.

Imperatriz Notícia – Como o senhor se interessou pelo estudo das plantas como medicina alternativa?

Antônio Augusto Brandão Frazão – Tem 42 anos. Eu era recém-formado na Universidade Federal do Maranhão como químico-toxicologista, e fui visitar uma tribo de índios e verifiquei que essas tribos usavam muitas plantas para curar feridas e como medicamento sem nenhum critério científico. Então resolvi estudar para dar respaldo e aí pronto, me apaixonei à primeira vista.

I.N– Qual a importância do conhecimento popular no uso das plantas como medicina alternativa?

A.A.B.F – O mais bonito desse trabalho cientifico é tu pegares a sabedoria popular e pesquisar. Às vezes você confirma e às vezes você vê que tudo é lorota, é só fé mesmo que faz com a população se cure de determinada planta, por exemplo, o mastruz. O mastruz o grau de intoxicação dele é 10 ml, tem gente que tomam um copo e não sente nada né, dentro da pesquisa o máximo que se devia tomar era 10 ml duas colheres de sopa.

I.N– Como o senhor vê a relação dos médicos com o tratamento fitoterápico?

A.A.B.F – Os médicos prescrevem os medicamentos e mais nenhuma outra pessoa pode prescrever. Como eles não estudam fitoterapia, ficam com receio. Mas isso está mudando. No novo currículo do curso de Medicina está vindo fitoterapia, para eles terem uma noção de que as plantas podem substituir alguns medicamentos. A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) liberou 56 plantas que podem ser usada no SUS agora (sistema único de saúde).

I.N– Em qual pesquisa fitoterápica o senhor está trabalhando atualmente?

A.A.B.F– Estamos em um ramo de pesquisa em ferida. Feridas provocadas pela diabetes, feridas provocadas por queimaduras, feridas pela hanseníase… Existe uma planta que não pode ainda ser divulgada porque ainda está em trabalho científico que pode  revolucionar toda essa área de cicatrização. A gente está pesquisando essa planta faz quase seis anos. Mas, é muito novo ainda, é muito cedo.

I.NQual a maior barreira para comprovação dessa pesquisa?

A.A.B.F – Você sabe muito bem que a gente está no Brasil, no Estado do Maranhão, e em Imperatriz, dentro de Universidade Estadual, então numa ordem decrescente você vê que o recurso pra gente é quase nada para pesquisa. A gente tem que pagar do dinheiro da gente, mas isso não desanima ninguém não, tem que pesquisar mesmo!

I.N– O que podemos esperar das pesquisas com plantas?

A.A.B.F– Estamos colaborando num programa nacional de farmácia Viva, programa nacional que a Anvisa, está lançando em cada Estado e eu estou colaborando com esse programa, uma rede de farmácia só com medicamentos fitoterápicos. Nós ainda estamos na fase de implantação, estudar que tipo de plantas devem ser plantadas, que tipo de endemias deve ter mais no bairro tal, no bairro tal para a gente poder montar um canteiro direcionado a esse tipo de doença, inclusive a UFMA é parceira nossa nesse projeto.

I.N -Como o senhor vê o episódio ocorrido em 2010 com o Dr. Dráuzio Varela e a rede globo em sua vida e carreira?

A.A.B.F– Para mim foi uma boa coisa porque a comunidade científica do Brasil, da América do Sul e do mundo inteiro ficou me conhecendo. No fim das contas todo mundo viu que ele (Varela) é um grande picareta, inclusive ele ganhou muito dinheiro das industrias químico farmacêuticas, exatamente porque ele é um dos sócios de uma empresa que fabrica remédio para o câncer, Então, para mim foi muito bom porque acabaram por reconhecer meu papel como pesquisador no mundo inteiro. Inclusive incentivou o  estudo da graviola, que eu estava estudando na época, e logo depois a Globo fez um Globo Repórter somente da graviola com o tratamento do câncer.

 I.N -Qual é a influência do Maranhão no campo da fitoterapia?

A.A.B.F- No Maranhão temos a doutora Terezinha Rego, que é um ícone no mundo inteiro, uma pessoa altamente respeitada do mundo científico pelas pesquisas dela, inclusive ela tem trabalhos em Cuba, trabalho em Londres e a gente indo debaixo do guarda-chuva dela a gente tem esses respingos da sabedoria dessa mulher.

About The Author