Select Page

Voluntários levam música e alegria a hospital público de Imperatriz

Voluntários levam música e alegria a hospital público de Imperatriz

Grupos realizam atividade filantrópica, oferecendo esperança e consolo por meio da musicoterapia associada ao tratamento de doenças

 

Texto: Lianna Arraes e Paulla Monteiro

Grupo fantasiado para visitar os pacientes do HMII. Crédito: Companhia da Alegria (Divulgação)

 

No geral, os hospitais são lugares onde se encontra dor, sofrimento e choro. Mas há pessoas que conseguem levar esperança, alegria e solidariedade por meio de trabalhos voluntários. A saúde passa a não ser apenas garantida por especialidades médicas, como também com a ajuda das atividades filantrópicas que complementam o desempenho do paciente em processo de recuperação.

Na cidade de Imperatriz, há vários grupos que exercem atividades semanais no Hospital Municipal de Imperatriz, adulto e infantil, mais conhecido, respectivamente, como Socorrão e Socorrinho. Todos os dias da semana, algum tipo de ação funciona no local exercido por equipes e ONG’S, tais como Companhia da alegria, Música no Hospital, Projeto Sopão I, Projeto Sopão II e Capelania. Alguns com vínculo religioso, mas todos possuem o mesmo objetivo: ajudar da forma que podem, oferecer empatia e mostrar uma medicina mais solidária e humana, visando então o progresso do paciente em bem estar físico, mental e psicológico. Além desses, que atuam periodicamente, outros voluntários também realizam esse tipo de atividade, mas de forma esporádica.

Ação realizada no Socorrinho. Crédito: Marcelo Matarazzo (ONG Música no Hospital / Divulgação)

 

Momento de louvor no Hospital Socorrão. Créditos: Capelania (Divulgação)

O objetivo principal é tentar mudar o astral do ambiente do hospital, afirma o musicoterapeuta Marcus Vinícius. Para ele, “a música tem um efeito terapêutico natural, e a musicoterapia é algo mais sistematizado. É para levar o tratamento através da música. O que acontece no hospital é a utilização dela para poder mudar o ambiente hospitalar, porque o hospital é visto como um ambiente hostil, principalmente para as crianças. E quando chega uma galera, animada, que está disposta a dar atenção ao paciente, aquele cenário triste muda e isso faz toda a diferença enquanto permanecem lá. Esse é o poder que a música traz de benefício imediato, mudar o cenário hospitalar para um lugar mais agradável, contribuindo assim para a recuperação do paciente.”

A estudante Jady Cristina, que sofreu um acidente de moto e permaneceu no HMI por 35 dias, sendo necessário realizar cinco cirurgias até receber alta do local, conta que, no período em que esteve lá, teve contato com inúmeras pessoas pertencentes a esses grupos voluntários e menciona a importância desse trabalho: “É um sentimento inexplicável.Você fica desanimado no hospital, e aí algumas pessoas que nunca te viram na vida, não te conhecem, perguntam se podem orar por você. E quando chega um estranho em um dos seus piores dias e te dá uma força, pega na sua mão, ora com você… independente de religião, é inexplicável o que a gente como paciente sente. É necessário esse trabalho, me ajudou muito e agradeço.”

Tem disponibilidade e interesse em participar de algum desses projetos? Então, entenda como funciona.

 

Companhia da Alegria

  • 19 membros.
  • O fundador da Companhia da Alegria é o Luciano Honório.
  • O projeto tem aproximadamente 6 anos de existência.
  • Não tem nenhum vínculo partidário, religioso e/ou institucional.
  • Nas terças-feiras à noite e aos sábados à tarde, levam o amor e alegria às crianças internadas no Hospital Municipal Infantil de Imperatriz através da “Palhaçaria Hospitalar.”
  • Acesse a página e veja mais fotos: https://www.instagram.com/companhiadaalegriaitzoficial/
  • Conheça mais em:

 

Capelania: Igreja Evangélica Nova Aliança

  • Há um grupo para cada dia da semana.
  • Responsável pelo projeto: Maria De Jesus.
  • Vínculo com igrejas evangélicas de Imperatriz.
  • No hospital Socorrão, há uma capela em que, diariamente, pequenos grupos levam uma palavra bíblica, cantam e visitam as enfermarias orando por cura e salvação e ofertam água mineral gelada, que dificilmente se encontra no local.

 

ONG Música No Hospital

  • Primeira ONG de Imperatriz na área da saúde.
  • Atual presidente: Willyan Róbson.
  • Diretoria formada por 7 pessoas e possuem em média 300 voluntários.
  • Trabalho realizado através da música composto por músicos e voluntários.
  • Todos os domingos, durante a tarde (14:00 às 16:00).
  • Sede situada na Rua Alagoas, número 164, Juçara – Imperatriz.
  • Objetivos principais da ONG: Realizar a musicoterapia nos hospitais para melhora dos pacientes e captar recursos para destinar às pessoas que realizam tratamentos não financiados pelo Estado.
  • Realiza ações semanais no hospital e projetos paralelos como: Natal de Canções (maior arrecadação de brinquedos da cidade), Criança Feliz, entre outros.
  • Acesse a página e veja mais fotos: https://www.instagram.com/musicanohospital/

Projeto Sopão I e II.

Equipe do Projeto Sopão. Crédito: Paulla Monteiro

  • Composto por membros de duas igrejas cristãs evangélicas: Catedral da Família Cristã e Igreja Cristã Evangélica Emanuel.
  • Toda segunda e sexta às 19:30.
  • Duas vezes na semana distribuem sopas e pedaços de bolo na porta do Socorrão e Socorrinho, e levam aos quartos para os pacientes que não têm condições de sair. O bolo é bancado por uma empresa privada da cidade (Cia Casero) que faz doações toda segunda-feira.
  • Acesse a página e veja mais fotos:https://www.instagram.com/jovenslivresporcristo

 

 

 

 

Quer saber os dias e locais de atividades desses grupos? Não esqueça de conferir o quadro abaixo.

About The Author